A propósito do peso das mochilas escolares

Lisboa, 7 de fevereiro de 2017

A APEL está solidária com esta preocupação e dá conta do que tem sido feito pelos editores escolares

Numa mochila escolar há espaço para muita coisa. Para além dos manuais, na mochila entram os cadernos, as capas, os estojos e outro material escolar, muitas vezes até a lancheira ou o equipamento de ginástica. Tudo isto somado, a mochila fica muito pesada para as costas de qualquer criança. É certo que há soluções práticas que se recomendam facilmente como, por exemplo, o uso de mochilas com rodas, mas isso não impede que as editoras escolares procurem contribuir para aliviar esta situação.

A petição contra as mochilas pesadas nas escolas que está em curso, noticiada pela Comunicação Social, dá a oportunidade para a APEL informar que os editores escolares estão muito atentos ao problema e têm investido bastante na procura das melhores soluções no que diz respeito aos manuais.

Ao longo dos últimos anos, os editores escolares tomaram algumas medidas como a divisão de alguns dos seus manuais em dois ou três volumes, pese embora isso constitua um acréscimo adicional nos custos de produção que não se reflete no preço final dos livros escolares.

Os editores têm investido também noutras soluções para além da criação de volumes, tais como o tipo de papel, utilizando papeis mais leves, sem nunca afetar a qualidade dos manuais e a sua utilização plena, nomeadamente, no que concerne à leitura.

Assim, a APEL manifesta a sua total abertura e disponibilidade para colaborar na definição das melhores soluções, e irá continuar a fazer tudo que estiver ao seu alcance para responder à questão do peso das mochilas e minimizar ao máximo as consequências negativas no presente e no futuro dos alunos portugueses.

APEL – Comissão do Livro Escolar

Consulte aqui o comunicado de imprensa.

Para mais informações contactar: Comunicação APEL | comunicacao@apel.pt | Tel.: 21 843 51 82