Famílias aproveitam promoções para compra dos manuais escolares, incluindo do 1.º ano de escolaridade

Lisboa, 25 de agosto de 2016

Abastecimento do mercado a tempo, promoções em livrarias e confiança no trabalho dos editores, reforçada pelo estudo da CETELEM que confirma que a compra dos manuais é dos aspetos que menos pesa no regresso às aulas.

A pouco menos de um mês para o início do novo ano letivo, a Comissão do Livro Escolar da APEL informa que o abastecimento do mercado dos manuais escolares, iniciado em meados de julho passado, decorre normalmente em todo o país.

Com o regresso de férias de muitas famílias, a procura tem sido crescente, sendo no entanto de sublinhar que, na linha dos anos anteriores, os portugueses estão a encomendar os manuais escolares de forma antecipada nos diferentes pontos de venda.

A contribuir para esta tendência estão as diferentes campanhas de descontos e promoções realizadas pelas livrarias – tradicionais e online – e outros pontos de venda, que representam uma poupança de cerca de 10% sobre o preço de capa dos manuais.

De destacar que, apesar da medida anunciada pelo Governo, muitas famílias estão a comprar os manuais escolares do 1.º ano, e respetivos livros de fichas. Com base em informações provenientes um pouco de todo o país, o facto de os pais terem de assinar uma declaração que obriga ao pagamento dos manuais na íntegra, se estes não forem devolvidos em bom estado no final do ano letivo, tem levado a que as famílias com menos dificuldades económicas optem por comprarem agora os manuais escolares, aproveitando os descontos nas livrarias e a possibilidade de deduzirem as despesas em sede de IRS, mas possibilitando também que os educandos utilizem livre e adequadamente os manuais nas aprendizagens.

Das despesas do regresso às aulas

Um estudo divulgado recentemente pelo Observador Cetelem afirma que, em média, os portugueses preveem desembolsar 455€ na preparação do novo ano letivo e que a maior fatia deste valor reserva-se ao vestuário, calçado e artigos de desporto e só depois surge a compra dos livros escolares. Este estudo segue a mesma linha dos dados recentemente divulgados pela APEL que demonstram que o custo médio de um cabaz de manuais escolares é de 111,5€, perfazendo apenas 24,5% (cerca de um quarto) do valor que as famílias portuguesas tencionam gastar neste regresso às aulas.

Estes dados vêm comprovar que a compra dos manuais escolares é o que menos pesa nas despesas do regresso às aulas, contrariamente ao que tem sido comunicado frequentemente. Este facto merece particular relevância uma vez que o manual escolar é muito importante no percurso educativo do aluno, configurando-se como um pilar fundamental na aprendizagem e que ultrapassa as dezenas de utilizações, como acontece com o vestuário e o calçado, por exemplo. O investimento nos manuais escolares é, por isso, uma mais-valia para a educação que produz resultados que vão muito além daquele ano letivo.

Este comunicado (e outras informações) está disponível em http://cle.apel.pt/.

A Comissão do Livro Escolar da APEL

Consulte aqui o comunicado de imprensa.

Para mais informações contactar:
Gabinete Comunicação APEL | comunicacao@apel.pt | Tel.: 21 843 51 85